sexta-feira, 22 de julho de 2016

Mãe gostosa dando pra o filho e marido (Mon and Son)



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Mãe safada fudendo com o filho (Mon and son)



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Filho transando com a mãe gostosa (Mom and son)



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Mãe muito gostosa se exibindo



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Mãe chupando o pau do filho (Mom and son)



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Irmão fudendo gostoso com a irmã (Brothers)



Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Confissões leitores: Meu irmão novinho.

O fato que irei relatar ocorreu, na verdade começou, quando eu tinha 16 anos e tinha quase a mesma forma física que tenho hoje. Quase!
Eu sempre morei com minha mãe, pelo menos depois dos 12 anos. E como minha mãe nunca chegou a se casar com meu pai, eu morava com ela e passava os finais de semana e férias com ele. Sempre gostei de ficar na casa do meu pai, visto que ele é muito bem de vida e tem uma casa que eu amo. É uma casa grande com piscina, sauna, salão de jogos com sinuca, totó, ping-pong, uma ótima churrasqueira a qual sempre foi bem desfrutada e muitas outras coisas que me atraíam. Deixo claro que apesar de gostar da casa do meu pai, sempre preferi morar com minha mãe.
Nessa época (em que eu tinha 16 anos), meu irmão Thiago (esse nome pode ser fictício) morava no Octogonal. Detalhe, meu pai morava no Lago Sul e, para quem não sabe, esses lugares, Lago Sul e Octogonal, são regiões administrativas do Distrito Federal. Meu irmão também morava com a mãe dele, e ficava com meu pai nos finais de semana, como eu.
Ou seja, eu e ele nos víamos todos os finais de semana. Não éramos de morrer de amores um pelo outro, mas nos dávamos bem, de certa forma. Sempre jogávamos vídeo game juntos, jogávamos futebol, tomávamos banho na piscina, banho de sauna, jogávamos sinuca e muitas outras atividades. Fazíamos tudo juntos por não podermos sair, pois o Lago Sul é um lugar de classe alta (mesmo morando lá meu pai não é rico, apenas bem de vida), e isso chama a atenção de bandidos para assalto e outras coisas. E também não éramos muito amigos dos vizinhos. Isso é normal em lugares com esse. Pois bem, essa era nossa vida.
Apesar da casa ser razoavelmente grande, eu e o Thiago ficávamos na mesma suíte. A do meu pai ficava ao lado, uma de minhas irmãs do outro lado e a outra irmã na parte da frente da casa. Quem morava oficialmente na casa era meu pai e minhas duas irmãs. Tinha época que tínhamos empregada e época que tínhamos diaristas, mas o quarto de empregada era ao lado da cozinha, do outro lado da casa.
Meu pai sempre se trancava no quarto dele com a namorada ou ficante, isso era muito relativo. Minhas irmãs sempre saíam com os namorados, e quando estavam em casa ficavam em seus quartos (elas são bem mais velhas que eu). Nisso, eu e o Thiago ficávamos sempre fazendo alguma coisa pela casa. Mas na hora de dormir, íamos para o mesmo quarto.
Bom, nessa época eu já me masturbava, como todos da minha idade. O Thiago tinha acabado de se descobrir e também se masturbava com muita frequência. Sempre demorávamos no banho, essas coisas de garotos. Até então, não tomávamos banho juntos.
Tinha dias que a gente não tinha sono, então ficávamos brincando de alguma coisa, só que sem fazer muito barulho. Com o passar dos dias ou semanas, começamos a falar de coisas do tipo: Thiago, para de bater punheta e sai do banheiro. Ele sabia que eu sabia o que ele estava fazendo e quando eu estava no banho ele também falava coisas do tipo. Foi aí que a gente começou a falar nesses assuntos. Com o passar do tempo a gente começou a querer sacanear o outro. - Passa a mão no meu pau; - Pega na minha bunda. Isso passou a ser uma forma de sacanear um ao outro.
As vezes quando estávamos na cama, ele na dele e eu na minha (camas de solteiro), brincávamos de adedonha (sempre com nomes de carros, cidades ou frutas), e ele sempre ganhava quando era nome de cidades. Quem perdia tinha que pagar uma prenda, que podia variar entre ir à cozinha buscar água e imitar uma galinha. Só que com o passar do tempo começou a brotar em nossas mentes a vontade de sacanear um ao outro com essas prendas. Daí passou ao ponto de quem ganhasse a brincadeira pedia como prenda, por exemplo: Diga que meu pau é mais bonito que o seu! Nisso foi ficando mais sério, tipo quero que você passe dez segundos com a mão em cima de meu pau por cima do short! ou Quero que você fique apertando e soltando meu pau por dez segundos!, e assim por diante. Depois de poucos tempos que tínhamos descoberto essa brincadeira, entramos de férias e fomos definitivamente para casa do papai. Daí passamos a jogar com assiduidade e aumentando a seriedade da coisa. Já estávamos ao ponto de: Como prenda quero que você deixe eu encostar meu pau na sua bunda, sem roupa! ou Alisa meu pau por um minuto!. Nisso a gente já morria de tesão quando começávamos a brincar disso. Quando íamos dormir, já sabíamos o que íamos fazer. Sempre começávamos de leve e íamos aumentando a seriedade da brincadeira. Uma semana jogando todo dia e já pedíamos como prenda que o outro batesse uma punheta de 2 minutos ou mais, ou que beijasse o pau do outro.
Mais uns dias se passaram e fomos nos deitar, nesse dia eu estava com um tesão da muléstia. Pensei comigo:  hoje eu vou apelar. O Thiago foi tomar banho e saiu rápido para eu tomar o meu. O intuito era deitar logo para começar a brincar. Tomei meu banho bem tomado me enxuguei e fui me deitar. Nisso ele já estava pronto e me esperando. Começamos devagar, mas elevamos o grau logo no começo.   Agora você vai ter que lamber meu pau, pelo menos do lado! Isso ainda estava no começo. Então a coisa ficou muito quente e eu decidi partir pro que eu queria desde o início. Falei para o Thiago que a partir daquele momento podia pedir qualquer coisa, menos pedir para meter. Ele aceitou na hora. Esperei eu ganhar uma partida e não hesitei em pedir:  chupa meu pau por dez segundos. Mas é para chupar tudo! Eu não me lembro bem se eram dez ou vinte segundos, mas era algo assim. Me lembro bem que o Thiago me olhou com aquele olhar de não! Eu falei para ele que era para chupar de verdade, pois nós combinamos que valeria tudo. Foi aí que ele veio para perto da minha cama. Eu já estava sem roupas quando ele, de joelhos no chão, segurou meu pau. Eu tava todo melecado só de pensar como ia ser a chupada que eu tanto queria. Ele ficou segurando meu pau por uns dois minutos, sem querer chupar e enrolando. Eu falei que ele tinha que chupar, pois foi um trato. Ele chegava perto lambia, cheirava, mas nada de chupar. Já se passara um bom tempo, quando eu disse:  Porra Thiago, chupa logo para tirarmos outro adedonha! Foi aí que ele criou coragem e desceu a boca. Caralhoooo! Nunca tinha sentido uma coisa tão maravilhosa. Ele foi de vez e botou tudo que pode na boca. A boca dele tava muito quente e macia. Ele tem a boca muito carnuda, até mais que a minha. Foi tudo de bom sentir aquilo.
Depois de chupar ele correu para banheiro para lavar a boca. Mas, rapidinho ele voltou para continuar com o jogo. Eu sei que ele estava doido para pedir a mesma coisa. Tanto que ele disse que ainda estava valendo tudo e que, se ele ganhasse, eu teria que chupar ele também, e pelo mesmo tempo. Começamos o adedonha e, para o azar dele, eu ganhei de novo. Claro que eu pedi a mesma coisa. E ele não podia se recusar. Lá veio ele de joelhos de novo. Ele estava preparado para começar e eu com o coração disparadíssimo. Então ele desceu a boca sem receio e começou a chupar muito melhor que da primeira vez. Ele chupava muito, muito, muito mesmo. Foi quando eu percebi que ele estava gostado de chupar meu pau. Como eu sei? Simples. Ele chupou MUITO mais do que o combinado.
Depois dessa chupada a gente não queria mais saber de jogar adedonha e fomos direto para as prendas. Ele tinha direito a uma prenda e eu outra prenda, tudo intercalado. Eu me lembro que na primeira oportunidade dele, ele me pediu para chupar o pau dele por um bom tempo, mas não sei quanto tempo. Claro que eu nem pude titubear. Afinal ele já tinha me chupado umas três vezes. Eu disse que ia chupar e fui ficar de joelhos perto da cama dele. Fui de vez, sem embromação. Segurei no pau dele, que era menor que o meu (o dele tinha uns 12 ou 13 centímetros e o meu tinha uns 16 ou 17cm, quase o tamanho atual,18cm). Lembro-me que eu chupei muito o pau dele, e chupei com vontade, para ele ficar com mais vontade de continuar naquela brincadeira. Nessa altura dos acontecimentos nós não contávamos mais o tempo que cada um tinha que chupar, era um pouco para um e um pouco para outro. Ficamos nisso muito tempo até eu gozar na minha barriga e ele gozar na barriga dele. Eu nunca tinha gozado tanto (em quantidade de líquido), foi muito mesmo. Depois nos limpamos e fomos dormir.

O mais incrível é que até aquele momento não comentávamos isso entre nós, apenas fazíamos as nossas brincadeiras à noite e esquecíamos durante o dia, e olha que a gente se falava o dia todo, mas nunca sobre o assunto. Depois desse dia fizemos isso todos os dias. Sempre fazíamos boquete um no outro, nunca mudávamos. Foi muito bom. Devo dizer que eu gosto muito de mulheres, até mais que de homens. E depois do meu irmão só já transei com outros dois amigos e nada mais.

Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Confissões leitores: Dei minha bucetinha pro meu filho de 13 anos

Meu nome é Andréia tenho 37 anos, pele clara, vou a academia quase todos os dias, então eu tenho um corpo bem lisinho, com seios médios, e um bumbum bem grande (o que chama a atenção em muitos homens), casada e tenho dois filhos, o Matheus de 9 anos e o Lucas de 13 anos.
 O Lucas faz aula de karatê então ele tem um corpinho um pouco definido saradinho, e sempre ele chegava do karatê e já ia para o chuveiro tomar banho, o banho dele é demorado ele fica embaixo do chuveiro uns vinte minutos, e quando ele sai do banheiro e vai para o quarto dele, ele passa pelo meu quarto, porque o quarto dele fica logo depois do meu. Uma vez aconteceu que depois que ele tomou banho eu tinha que pegar umas roupas sujas no quarto dele para lavar, então eu entrei e ele estava de cueca mexendo no computador, ele disse “oi mãe”, e eu respondi, pois bem, peguei as roupas e fui colocar na máquina. Depois de um tempo as roupas já estavam parcialmente secas, então eu as tirei da máquina e percebi que a minha camiseta estava toda molhada de agua e sabão, então eu entrei e tirei a roupa fiquei somente de calcinha e sutiã, como o Matheus tinha saído com o pai dele e eu estava sozinha em casa com o Lucas eu decidi ir al quarto dele.
Eu abri a porta e ele me viu de calcinha e sutiã e ficou me olhando de olhos arregalados e um sorriso meio que discreto, eu o avisei que eu ia tomar banho e se alguém chegasse ele pedisse pra me esperar que eu não demorava. Então eu fui tomar banho, demorei cerca de 12 minutos, e quando saí vesti somente uma calcinha e fiquei sem sutiã no meu quarto, eu do meu quarto gritei pra ele ir tomar banho, e uns cinco minutos depois ele me chamou no banheiro, eu entrei e vi ele pelado de pau duro, o pau dele devia ter uns 17cm, então eu comecei a ficar excitada, ele me pediu pra trocar a agua do chuveiro para a quente porque ele não alcança, e ele aproveitou e passou a mão no meu bumbum, e eu instantaneamente o interditei “LUCAAS” e ele se afastou sem graça e pediu para mim tomar banho com ele. Eu falei para ele que eu tinha acabado de tomar banho, mas ele insistiu, e eu falei “você não acha que já tá bem grandinho pra banhar com a mamãe? ” Mas eu acabei aceitando, pois eu já estava lá mesmo. E então estávamos tomando banho e aconteceu, ele começou a passar o sabão na minha barriga e eu ia ficando mais excitada, até q eu peguei o sabão e comecei a passar nele, passei na barriga dele no peito, passei no meio do bumbum dele, no pau dele (que já estava duro), e do nada ele começou a mamar meus seios como eu não aguentava de tesão e comecei a alisar o pau dele, e ficamos assim por um tempo, depois eu falei pra ele ficar de quatro, ele obedeceu, então eu comecei a lamber o cuzinho dele e ele dava uns gemidinhos baixos e depois de um tempo ele pediu pra lamber minha buceta e eu deixei, ele começou a lamber e ficou uns 10 minutos lambendo e chupando minha buceta até que eu senti um jato quente saindo, eu gozei no rosto dele todinho e ele olhou pra mim e deu um lindo sorriso. Depois disso fomos para o quarto dele, lá eu deitei ele na cama com as pernas bem abertas e comecei a chupar o pau dele e ele gemia, cinco minutos depois ele gozou dentro da minha boca mais eu continuei chupando o caralho dele até que começou a sair porra pelos lados da minha boca.

Depois que eu limpei minha boca eu fiquei de quatro e falei “me fode com todas as suas forças gostosinho” ele perguntou “posso colocar no cuzinho?” e eu respondi “não meu amor, no cuzinho dói” e ele então começou a meter na minha buceta, ele começou devagar, mais depois ele começou a ir mais rápido e mais forte, eu estava gemendo que nem uma puta, e eu acho que ele ficou mais excitado com isso, e começou a meter com muita violência, mais eu estava morrendo de tesão e ele gemia tão alto quanto eu, até que ele finalmente gozou e encheu minha bucetinha de porra, depois ele ainda ficou com o pau lá por um tempo e depois tirou e disse “nooossa mão, você é a melhor de todas” e então fomos dormir. E todos os dias ele me comia até que dois meses depois era aniversário do irmão dele, o Matheus tinha acabado de fazer 10 anos e eu dei um belo presente pra ele, mais falei que o melhor presente dele eu ia entregar depois. No dia seguinte eram 9h30 da manhã, meu marido estava trabalhando e o Lucas estava na escola, então eu falei “Matheus, quer ver seu presente agora?” Ele ficou super feliz e então fui até meu quarto tirei toda minha roupa e o chamei, seu sorriso se desfez, e ele ficou maravilhado, tirei sua camiseta, e o short junto com a cueca e vi que seu pauzinho já estava duro então comecei a chupar e ia perguntando “mamãe esta chupando gostoso?” E ele fazia que sim com a cabeça. Depois que eu terminei eu o pedi que não contasse nada a ninguém.
Quando o Matheus completar 11 anos eu vou dar minha bucetinha para ele comer e o cuzinho para o Lucas. Espero poder contar mais em breve…

Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Confissoes leitores: Dei para meu Irmãozinho novinho.

Meu nome é Najara tenho 17 anos e quero contar a vocês como dei para o meu irmão de 11 aninhos. Eu nem sei o que deu na minha cabeça, mas não aguentei e ensinei a ele tudo que precisava saber. Já fazia um tempo que ele se trancava no banheiro e ficava La por um bom tempo e eu ficava imaginando ele com seu pintinho na mão e se masturbando, por algumas vezes eu o via cheirando minha calcinha e outra limpando seu quarto peguei minha calcinha em baixo da sua cama e com mancha de porra nela, isso me aguçou a curiosidade ainda mais só de saber que ele talvez estivesse me querendo, mas eu já tinha visto ele peladinho e o pintinho dele era ainda muito pequeno e nem faria efeito em mim. Eu já transava a muito tempo e já tinha dado pra uns caras de pinto grande e sabia como era ser comida por um pinto grasso e grande.
Falei com minha mãe às coisas que andava vendo e ela me disse que era normal porque ele ainda era pequeno e não tinha muita noção das coisas.
Um dia passando em frente do seu quarto a porta estava aberta ele batendo punhetinha como sempre e vi-o gozando, foi um jato de porra que espirrava e escorria, minha bucetinha molhou na hora porque sabia que ele andava fazendo isso pensando em mim, então aquela porra era pra mim. Então eu pensei, talvez se eu ensinasse a ele sem dar não faria nada de errado estava apenas ajudando ele a se proteger, certo? Errado! Foi assim que me ferrei!
Comecei a me mostrar pra ele, andava de calcinha e sutiã ma frente dele o tempo todo e o coitado entrava e saia do banheiro o tempo todo, um dia tomei banho de porta aberta ele passou e me viu, voltou e arregalou o olho e ficou me olhando, eu perguntei o que ele estava olhando, ele disse que meu peito era muito grande e bonito eu dei uma risadainha e virei, ele saiu e só o vi um tempo depois, eu já sabia o que ele foi fazer (punheta) eu fechei a porta e também me masturbei imaginando ele me comendo com aquele pintinho lindo, chupando meu peito que ele disse que era grande. Ele voltou e me pegou com a mão na buceta bem na hora que estava gozando, esticando as pernas e apertando meus peitos e levei um susto quando o vi ali parado com a mão dentro da calça me olhando.
Ele perguntou o que eu estava fazendo, eu disse que fazia a mesma coisa que ele, ele me perguntou se mulheres também fazia aquilo eu disse que sim e era tão bom quanto que talvez um dia pudesse fazer juntos um do lado do outro, mas que ele não poderia contar a mamãe. Ele disse se poderia ser naquele momento e eu disse que não que tinha que me preparar então ele saiu e terminei meu banho.Me troquei mas não coloquei roupa fiquei só de calcinha,ele quando me viu começou a perguntar muitas coisas pra mim, do tipo, porque minha vaginha não tinha pelos,porque o bico do meu peito era grande e porque ele ficava de pinto duro quando me via, ai me perguntou se eu já tinha feito sexo eu disse que sim , muitas vezes, ele perguntou como era, então foi ai que pensei, já é hora de ensinar coisas a ele porque do jeito que ele esta não vai demorar muito pra ele perder a virgindade.
Então disse a ele que estava na hora de ensinar umas coisinhas a ele e perguntei se ele queria tocar em meus seios, ele sem responder já estava com as mãos neles, pegava com tanto gosto, apertava e balançava, começou a descer a mão até minha cintura eu disse a ele: Calma moçinho, não é assim que se faz tem que ir com calma, comece chupando meus peitos, ele começou a me chupar tão gostoso, eu enfiando meus dedos na buceta, pegava a mão dele e passava por meu corpo e logo ele pegou o jeito, passava a mão na minha buceta e esfregava, eu o deixei se divertindo por um tempo enquanto eu batia uma pra ele, seu pinto era pequenininho, mas era uma delícia muito durinho já soltando liquido eu abaixei e meti a boca naquela piroquinha, ele gozou na minha boca na hora e eu com a boca toda cheia de porra do meu irmãozinho, o problema é que ele broxou com isso e nem chegou a me comer. Por um lado, foi bom, mas por outro fiquei com a buceta melada, mas não foi dessa vez.
De madrugada levantei e entrei no quarto dele, ele dormindo de barriga para cima eu sem acordar ele colocou seu pintinho para fora e comecei a chupar, ele foi ficando duro e logo ele acordou, eu disse: Não se mexe! Então ele deitou de volta e eu continuei a chupar seu pauzinho, as bolas, ele torcia as pernas de uma forma que gemia tremendo, eu não aguentei e senti no seu pinto penetrando ele em mim, que pintinho delicioso, ele agarrou na minha cintura e me comia eu o mandei ele parar e comecei a cavalgar no seu pau, subia e descia sem parar, peguei a mão dele e coloquei nos meus peitos e apertei e ouvia seu gemido rouco.
Levantei virei de quatro e mandei ele me comer do jeito que ele quisesse, ele enfiou seu pau em mim e batia forte, melhor que muito cara que já dei, ele no movimento de vai e vem seu pinto saiu da buceta entrou no meu cuzinho de uma vez, mas como não era muito grande nem doeu, nem dava pra sentir direito e deixei-o comer meu cu, estava muito bom que nem me importei. Até que ele disse que ia gozar eu virei e enfiei seu pinto na minha boca e tomei outra gozada na boca.
Ele se jogou na cama e muito cansado, disse a ele pra que colocasse uma cueca pra dormirmos junto, eu coloquei uma camisolinha e deitei com ele e passamos a noite junto, disse a minha mãe que ele estava com medo e fui dormir com ele e ninguém desconfiou de nada, depois disso ainda fiz mais algumas chupetas pra ele e tomei sua porra, hoje sou casada e não fazemos mais isso, mas no dia do meu casamento ainda demos a última foda, mas não foi bom como era antes, eu gostava quando ele era garotinho.

Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com

Confissoes leitores: Duas filhas, dois pais e uma convidada.

Ricardo chegou em minha casa com um pendrive na mão, me dizendo que precisava me mostrar uma coisa muito importante. Mas o que eh tao importante? perguntei.
-Calma que vou te mostrar, eu também fiquei chocado no começo, mas precisava te mostrar. É vídeo, pode por na TV ele disse.
Pluguei o pendrive na 42 e Ricardo escolheu um video lá entre tantos.
No começo do video, já gelei, era o quarto de Ana minha filha, e ela estava com Evelyn, filha do Ricardo.
-Aconteceu alguma coisa com minha filha? Perguntei assustado.
-Calma, ta tudo bem com elas.
Elas estavam de frente pra câmera, aparantemente conversando com alguém na web cam, o volume estava baixo e não ouvi. Ana era ruivinha, minha filha era linda, Evelyn a loira, também era muito bonita. Não fosse pelo aviso de Ricardo até o momento eu não teria notado nada de anormal.
Mas minhas pupilas se dilataram no me momento em que Evelyn levanta a blusinha e mostra os peitos.
-Mas que porra!!! Eu falei
-Continua vendo. Disse Ricardo
Evelyn continuou mostrando os peitos e Ana se virou para a câmera e ficou de quatro, ela estava com uma bermuda rosa, a poupa da sua bunda ficou aparecendo.
Mas que merda eu disse. E no momento que ia pedir pra ele parar, Evelyn ficou diante da câmera e baixou sua bermuda, ela estava com uma calcinha amarela, derrepente esqueci de tudo que ia falar e fiquei olhando, Ana chegou por trás e baixou sua calcinha. Não lembro de já ter visto buceta mais bonita na minha vida, era uma bucetinha cheinha e branquinha, com um baita risco no meio. Evelyn abriu a bucetinha com as duas mãos mostrando uma carne rosada deliciosa no meio. Olhei para Ricardo e ele parecia calmo.
Ana baixou sua bermuda e ficou só de calcinha na frente da cam, Evelyn voltou a puxar a calcinha pra cima, mas não a bermuda
Eu estava em estado de choque, meu coração batia forte, eu não queria acreditar que estava vendo aquilo, comecei a andar pra la e pra cá, e acendi um cigarro pra me acalmar.
-Como conseguiu isso?
Na internet, elas mesmo transmitiram isso, no começo eu também fiquei chocado, quando vi que isso era feito na sua casa, cheguei a pensar que você estava fazendo isso, fiquei muito puto, então comecei a investigar, e descobri que elas transmitem quase todo dia, sempre que minha filha vem dormir aqui na sua casa. Eu gravei e resolvi vir conversar com você sobre isso.
Ainda estava indignado, xingando minha filha a torta e a direita, com a mão na cabeça, ainda tentando assimilar o que estava acontecendo.
Na tela o video ainda estava passando, no momento que levantei os olhos, vi Evelyn de quatro, com a calcinha abaixada até os joelhos, a tela de 42 polegadas realçava bastante a cena, era uma bunda linda e uma buceta mais linda ainda, me peguei com o pau latejando e quieto, prestando atenção, ela balançava a bundinha e segurava aberta com as duas mãos, sua buceta era rosadinha e seu cuzinho também. Eu pensei:Essa não é a Evy que eu conheço, senti tesão, como um homem sente por uma mulher, é só não podia aceitar que era aquela garotinha educada, que esta todo dia aqui, brincando com minha filha.
Por um momento esqueci de Ana, e acho que só não fiquei com o pau duro, porque ainda estava muito indignado com tudo isso. Quando Ricardo falou e voltei a mim.
Evelyn é linda não é?
Olhei pra ele com cara de quem não entendeu nada, a filha dele mostrando o rabo e ele dizendo que ela era linda. Dei mais uma olhada na tela, e quis concordar, mas fiquei quieto.
-Não te incomoda ver ela assim?
-A primeira vez que vi sim, fiquei como você. Mas tem como olhar pra isso e não achar bonito? E não me venha com hipocrisia, que você tava prestando bem atenção nela.
-Cara, ainda é sua filha.
Minha filha mas aposto que você comia.
Eu quis dizer que não, mas não ia enganar ninguém.
-Não sei se quero ver o resto.
Ricardo pausou o video com Evelyn ainda de quatro na tela.
Minhas pernas estavam bambas, aquilo foi um choque grande, eu não sabia o que pensar, nem o que fazer.
Bom, agora que entra o que eu vim te falar. Eu ainda não falei com Evelyn sobre isso, nem com Ana, então elas não sabem que a gente sabe. Eu pensei muito sobre o assunto, pensei mil coisas na hora, pensei em dar uma surra nela, deixar de castigo, aconselhar. Mas vendo os vídeos, uma coisa eu vi é que elas não são mais crianças, só aos nossos olhos. Olha pra isso, apontou pra tela. Isso parece uma criança pra você? Eu cheguei a conclusão que bater nela ou deixar ela de castigo só iria deixar ela revoltada, é claro que vou aconselhar ela a não fazer mais isso. porque assim como eu achei, algum conhecido pode achar isso e querer se aproveitar.
-Por outro lado, eu vi que você sentiu tesão na minha filha, e ela é gostosa mesmo. Mas tudo bem, eu também senti quando vi a sua.
-Onde você quer chegar Ricardo?
-O que eu quero dizer, é que a gente pode aproveitar isso, a gente faz uma troca..
-Você ta doido, gritei…. Perdeu a cabeça Ricardo, comeu merda? Acho que xinguei ele uns 5 minutos, acendi um cigarro e me acalmei.
-Você acha que elas são santas? você não viu todos os vídeos, isso é só que elas fazem no quarto na sua casa, eu fico pensando o que mais já não fizeram com os coleguinhas.
-Eu sei que é difícil pra você aceitar, mas sua filha já perdeu a Inocência. Já nos conhecemos a anos, desde pequeno, eu sei que você também não é santo, já aprontamos muito juntos. Temos nossos segredos, ou você já esqueceu o que fizemos com minha irmã quando tínhamos a idade delas? Eu só estou te propondo isso a você porque te conheço bem. Olha bem, pensa quando você vai ter uma oportunidade pra comer um mulherão destes.
Enquanto Ricardo falava, olhei pra tela, ele sabia que minha vida sexual não era muito ativa ultimamente, e estava me fazendo querer pensar com a cabeça de baixo, mas a questão não era comer Evelyn, mas dar minha filha em troca, isso era horrível pra mim.
Olha, os vídeos estão aí, tem um arquivo com o endereço do site que elas transmitem, assiste, e pensa no que te propus, depois a gente se fala.
Quando Ricardo saiu, desliguei a TV e fui fumar na varanda, meu coração estava pesado, apertado. Fiquei bravo comigo mesmo, de deixar as coisas acontecerem sob meu nariz, fiquei com raiva de Ana por fazer aquilo comigo, pensei no que Ricardo disse, pensei no que aconteceria se meus outros amigos descobrissem isso.Andei pra lá e pra cá, tomei umas cervejas pra relaxar, passei varias vezes pela TV e pensei em ligá-la, mas tinha medo. Tinha medo de ver Ana se mostrando pra estranhos.
Depois de tomar varias cervejas, criei coragem e fui terminar de ver o video, a imagem ainda estava lá congelada, com Evelyn de quatro. Fazia tanto tempo que eu não comia uma buceta, e aquela bucetinha lá, tão perto se eu quisesse. Tentava me chamar pra razão, mas logo meu pau ficou duro e tirei ele pra fora. Evelyn rebolava muito bem, me peguei pensando com pau naquela buceta tão rosinha.
Ana estava de calcinha, e montou em cima de Evelyn, ficaram as duas quatro, tentei buscar traços tentando me convencer que Ricardo estava certo, que Ana não era mais uma menina, quando Ana deixou a mostra seus seus seios, eu achei lindos, e me culpei por isso, mas pensei porque razão deveria odiá-los, apenas por ela te-los? Não fazia sentido. Talvez Ricardo tivesse percebido isso, ele não culpava Evelyn por ser gostosa, mas sabia admirar isso nela. Que pai iria querer que seus amigos lhe dissessem que sua filha era uma jaburu tão feio que dava medo de olhar.
Ana ficou deitada de ladinho na frente da cam, com as pernas abertas, era impossível não perceber a beleza encarnada ali. Afinal seu corpo era jovem, os peitos firmes, a barriga perfeita, a pele lisinha e um volume lindo no meio das pernas.
Resolvi aumentar o volume, coisa que ainda não tinha pensando em fazer. Ouvi Evelyn falando:
-Eles querem que você mostre a bucetinha
-Só quando chegar a dois mil, ela falou. enfiando a mão dentro da calcinha.
Adiantei o video, agora estavam as duas de quatro, Evelyn tinha o cabo de uma escova, enfiando na buceta e Ana, tinha algo que parecia uma caneta,um pouco mais grossa que o normal, enfiada no cuzinho. Aquilo despedaçou meu coração de vez. Evelyn saiu de onde estava e deitou debaixo de Ana, e começou a lamber a buceta dela, o cuzinho dela então cuspiu a caneta pra fora, e foi se fechando bem devagar. Não deu pra não sentir tesão, e acabei gozando no sofá.
Ana estaria voltando da casa de sua mãe logo, então tirei o pendrive e guardei.Quando ela chegou, meia hora depois, foi tão amável e atenciosa comigo como sempre, seu sorriso era tao encantador, que esqueci de tudo e não consegui mais ficar bravo com ela.
Ela sentou no sofá, no lugar onde eu tinha gozado e começou a conversar comigo, perguntando como foi o dia, se tinha novidades.Mas não falei nada a respeito, apenas respondi o de praxe. Ana estava com os pés pra cima do sofá, com as pernas cruzadas como um monge, ela parecia tão pequena e frágil de roupa, olhei no meio de suas pernas fiquei pensando se aquela bucetinha que eu tinha visto, era a mesma que esta a minha frente. Pedi pra ela pegar um livro na estante pra mim, fiquei olhando a sua bunda e fazendo a mesma pergunta, sem roupa ela parecia tão grande e redonda, senti uma estranha vontade de pedir pra ela abaixar a calça e ao mesmo tempo me senti muito culpado por isso.
A noite passou e levei o notebook pra cama pra terminar de ver o restante dos filmes. A cada video que eu assistia, minha revolta diminuía e meu tesão aumentava. Ricardo escolheu cuidadosamente o video que ia me mostrar, onde Evelyn tinha destaque, mas no restante dos vídeos, era Ana quem mais parecia uma putinha. Em um dos vídeos, Evelyn enfiava o cabo da escova no cu de Ana, depois tirava e enfiava na sua buceta depois de novo nu cú de Ana, Ana olhava pra cam e dava uma risadinha. Fiquei imaginando aquele monte de marmanjo, olhando minha filha e fiquei com raiva, todos como Ricardo, pensando em comer o cuzinho dela.
O dia amanheceu e era sábado, consegui me distrair fazendo os serviços da casa, consertando algumas coisas quebradas. Mas quando a noite chegou, a turbulência voltou.
Ana tinha trazido Evelyn pra dormir aqui, mas não somente Evelyn.
-Pai, essa é a Flávia, ela vai dormir aqui também se você deixar.
Flávia era uma coisinha pequenina, parecia ainda mais jovem que Ana e Evelyn, mas não menos bonita, loirinha de olhos grandes e bem azuis, e lábios bem carnudos, e isso foi o que chamou mais minha atenção.
Ana estava com uma calça leging, e uma camiseta branca, Evelyn usava uma calça jeans bem apertada e uma camisa branca bem curta que mostrava sua barriguinha e Flávia usava uma saia bem curtinha, e aparentava tinha uma bundinha bem redondinha.
Eu procurei adiar isso, mas agora eu tinha que fazer uma escolha, se eu fosse omisso, certamente o que Ricardo falou ia acontecer elas iam se trancar no quarto e mostrar a buceta pra meio mundo de velhos, até eles gozaram na tela. Olhei pra Evelyn que estava parada na porta da sala, de costas pra mim, com a mão na cintura. A bunda dela era aquilo mesmo, redonda e formosa, sua cintura era fina e as pernas torneadas, mas acima de tudo, fiquei muito curioso em relação a Flávia. Desejei ser jovem outra vez, aqueles olhos e aquela boca carnuda me tiraram do eixo, e sempre que eu olhava pra suas pernas eu ficava me perguntando o que tinha mais acima. Eu estava vendo mais uma vez a razão sumir de mim. Comecei a ficar impaciente, sem saber o que fazer. No fim, nada fiz. Peguei meu notebook e fui para o meu quarto.
Tirei a roupa e acessei o site que o Ricardo deixou. O link apontou direto par o perfil de Ana. LitleCat, era o nick. Fiquei mais tranquilo ao ver que não continha nenhuma informação que pudesse levar a minha casa. Talvez eu estivesse ansioso a toa e nada fosse acontecer, deixei o note de lado e procurei relaxar um pouco, de vez em quando dava um F5 na página
Por volta das 22 horas, dei um reload na página, gelei quando vi a tela com o quarto de Ana. Elas estavam no chão, com a cama ao fundo. Ana estava com uma bermudinha que mal cobria sua bunda, Flávia estava ainda com o vestidinho e Evelyn já estava só de calcinha.
Elas sentaram em volta de uma garrafa, e começaram a girar, certamente jogando verdade ou consequencia, não dava pra ouvir direito o que elas falavam, mas estavam rindo e pareciam se divertir. De vez em quando uma se levantava e virava a bunda pra câmera, ou mostrava o peitinho, ou tirava uma peça de roupa.
Quando foi a vez de Ana ficar de quatro, quase caí de costas, a bermudinha que ela usava abraçava sua bunda, ficando coladinha, mas mostrando metade da bunda, e abraçando sua buceta de um jeito que me encheu de tesão, meu deu um pulo. Que merda,pensei, to sentindo tesão pela Ana. Sem perceber já estava punhetando pra ela.
Mas a grande surpresa da noite, foi mesmo Flávia, as meninas deixaram ela peladinha, ela era pequenina, mas muito gostosa, seus peitos eram pequeninos, e sua bundinha era saliente, mas sua bucetinha era grande e carnuda, elas pegaram um consolo em forma de pau, e começaram a enfiar nela, colocaram ela de quatro, e começaram a dar tapinhas. Ao perceber o barulho, Ana ligou o radio e colocou perto da porta pra disfarçar.
Ricardo me mandou um mensagem: Ta assistindo elas?
Respondi que sim, imaginei Ricardo lá de pau duro, assim como eu e mais 3200 pessoas que estavam no chat, falando besteira pra elas. Fiquei com vontade de assistir mais de perto. Mas eu não saberia oque fazer, nem o que falar. A cena mais linda da noite, foi quando uma deitou sobre a outra. Primeiro Ana, deitou no chão com a bunda virada pra câmera, depois veio Evelyn e deitou em cima, e então Flávia. Três bucetinhas lindas empilhadas, tão perto.
A brincadeira levou quase 2hs, bati umas três punhetas nessa noite, e ainda assim só parei quando elas foram dormir. Fiquei pensando na proposta de Ricardo e o que exatamente ele tinha em mente, usar isso como?
No dia seguinte chamei Ricardo pra ouvir o que ele tinha a dizer.
Então cara, eu pensei bastante no que você disse, eu só não entendi o que exatamente você quer fazer e como.
Bom, primeiro a gente precisa pegar elas no flagra, só falar que sabemos acho que não vai causar o mesmo efeito, a gente precisa criar a situação onde elas fiquem realmente constrangidas e se sintam culpadas pelo que estão fazendo. Imagino que você tenha um copia da chave do quarto. Segundo, não adianta chegar lá de pau duro e querer que elas dêem pra gente, elas podem ficar assustadas demais, a gente tem que bolar uma história. Eu pensei em uma sem pé nem cabeça, mas que pode dar certo.
Ricardo falava com tal empolgação, que imagino que ele tenha passados dias pensando nisso.
-Seguinte, a gente vai entrar lá com a copia da chave no momento que elas estivera no ápice da coisa, pra não dar possibilidade de qualquer desculpa. Você vai chamar sua filha em um canto e eu chamo a minha, se essa menina nova estiver lá, deixa que eu falo com ela. Provavelmente elas vão estar muito nervosas e se sentindo culpadas e vão ficar se desculpando, dizendo que não era isso queriam fazer e tudo mais.
-Você vai dizer pra elas, que como a transmissão era feito online, uma produtora de filme porno clandestina descobriu onde você morava e veio falar com você, e ameaçou chamar a polícia e te acusar de estar usando a filha e as amigas pra ganhar dinheiro na internet, você tem que deixar bem claro pra ela a gravidade da situação, ela vai querer dizer que assume tudo que não foi culpa sua, mas você vai ter que convencer ela que não tem jeito, que eles são gente perigosa, e que se você não fizer o que eles pedem você vai acabar indo pra cadeia ou coisa muito pior. Eu vou inventar uma história parecida pra Evelyn e pra menina nova.
-E qual a condição da produtora?
-Essa que é a parte boa, e que pode dar certo, a condição é que nós temos que fazer um filme caseiro com elas e entregar pra produtora, se a produtora gostar do filme, a gente ta livre, se a produtora não gostar, a gente tem que fazer um novo filme. Assim se você quiser repetir a gente já tem o pretexto pronto.
-Você é um canalha Ricardo, desde começo já tinha tudo Planejado, você é um maldito.
-E eu tenho quase certeza que o dia é hoje, esteja preparado. Assim que elas começarem, eu venho pra cá, e trago o equipamento de video.
-Ta falando sério, ate equipamento de video.
-Sim,você precisa ser convincente pra dar certo, você vai dizer que eles nos emprestaram pra fazer o video.
Passei o dia refletindo sobre, não tinha certeza que queria aquilo, mas eu sempre lembrava do corpo de Evy, e sempre que eu lembrava eu queria ve-lo.
Não deu, outra. A noite Ana, Evelyn e Flávia estavam aqui em casa, me avisando que elas iriam dormir aqui. Claro que concordei e avisei que iria pro meu quarto. De lá esperei elas começarem e liguei para Ricardo. É claro que ele estava lá por perto, esperando dar a hora, dez minutos depois ele batia a minha porta, em silencio levamos o equipamento pro meu quarto. E ficamos assistindo as meninas, esperando o momento certo de agir.
Eu estava suando frio, muito nervoso, mas Ricardo parecia ansioso, checava o equipamento de cinco em cinco minutos.
Quando todas elas estavam peladinhas, decidimos que era o momento certo de agir, chegamos peto da porta, e já pude ouvir o som do radio pra abafar o barulho, meu coração disparou, quase dei pra traz, mas Ricardo estava ali pra não me deixar desistir. Fechei os olhos e contei até trés e abri a porta rapidamente.
A cena que vi foi Ana de joelhos no chão e com o rosto na cama e Flávia ao seu lado, e Evelyn enfiava o consolo na buceta de Ana e passava a mão na bunda de Flávia. Imediatamente as trés deram um salto, Ana se preocupou em fechar o note, e a palavra que saiu da boca das duas foi a mesma.
-Paaaii!! O que você ta fazendo aqui?
Mais que putaria é essa, falei alto para intimida-las mais ainda.
Elas não sabiam se tentavam explicar ou se vestiam, mas a mais assustada era Flávia, ficou quietinha no canto com a cabeça baixa.
-Olha, vocês não precisam explicar nada, mas o que a gente tem pra dizer é muito sério, muito serio mesmo, o que vocês fizeram aqui hoje, me colocou numa situação muito ruim.
Fiz como Ricardo tinha instruído, chamei Ana no canto e expliquei a situação, me cortou o coração mentir pra ela, porque ela realmente acreditou e começou a chorar, tive que ser firme e acalmar ela e explicar que tudo ia dar certo se elas fizessem o combinado, ainda com lagrimas nos olhos ela concordou e me abraçou.
Nos reunimos no centro do quarto e Ricardo falou.
Bom meninas, realmente é triste o que aconteceu, e falo como pai, fiquei triste pelo meu amigo, e triste por ter que ver minha filha na internet abrindo as pernas pra milhares de marmanjos, mas já que vocês meteram a gente nisso, hoje mesmo vocês vão ter que tirar.
-Como já foi dito pra vocês, esse pessoal que achou os vídeos que vocês fizeram são pessoas muito perigosas, nós tentamos conversar com eles, mas eles não quiseram conversar, nos disseram que se não fizermos o video, o melhor que vai nos acontecer é cadeia, e eu prezo pela minha vida. Então, a gente precisa fazer esse video hoje e entrar a eles bem rápido.
-Hoje? Evy perguntou. Como assim assim, eu vou ter que transar com alguem aqui hoje?
-Bom filha, acho que você não faz ideia da gravidade do problema, você quer ver seu pai morto?
-Claro que não pai, mas eu vou ter que transar com o pai da Ana?
-Fica tranquilo querida, papai esta aqui do seu lado, e você não quer que essa história se espalhe né? então vai ser nos cinco somente.
Ricardo saiu pra buscar o equipamento
Sentei na cama e tentei acalmar as meninas, dizendo que estava tudo bem, já estavam todas vestidas e eu estava quase desistindo de tudo. Mas quando olhava pra Evy e pra Flávia, meu pau quase saía das calças.
Ricardo colocou duas câmeras em tripés e ele tinha mais 2 portáteis, ligou a parafernalha toda e apareceu la com um roteiro.
Meninas, eles mandaram o roteiro, mas a gente não precisa seguir a risca, tá é só pra ter um caminho, então tentem parecer naturais tá, não fiquem nervosas.
O roteiro é o seguinte: Vocês vão deitar na cama e vão estar dormindo, o Ricardo é pai de vocês, ele vai entrar no quarto e vai ver vocês deitadas na cama, ele vai ficar com tesão e vai começar a tocar vocês, entenderam? Só que vocês não podem acordar, vocês tem que fingir que estão em um sono profundo. Como vocês sabem isso vai ser um filme porno, então ele vai tirar a roupa de vocês,ok?
-Eu vou filmar no começo e vou entrar em cena depois, eu serei o irmao dele, o restante a gente improvisa depois,ok? Duvidas?
-Ele vai tirar minha roupa também? perguntou Ana?
-Não querida, a sua roupa quem vai tirar sou eu quando entrar em cena. Falou Ricardo
-Vai ter transa? perguntou Evy.
-Você já viu um filme porno Evy minha filha? Ana, Flávia, alguma de vocês nunca viu um filme adulto?
Todas balançaram a cabeça positivamente.
-Então a resposta é sim, vocês vão ter que fazer isso. Ou já esqueceram porque a gente esta aqui nesta situação. Ricardo falou tão sério e assustador, que eu mesmo acreditei.
-Ou vocês acham que eu gosto de ver minha filha mostrando a buceta em uma web cam, pra sei lá quem? Vocês estavam se divertindo, uma chupando a buceta da outra, enquanto mostravam isso pra trés mil punheteiro, e agora estão aí, cheio de frescura. Meu conselho é, invez de ficar de frescura com uma coisa que vocês já fazem, vocês deviam relaxar e aproveitar. Não estou pedindo pra vocês arrancaram um braço, mas se vocês não fizeram exatamente como eu disse, nós vamos perder nossa cabeça.
Todas ficaram apreensivas, mas caladas.Estavam muito nervosas, dava pra ver.
Ricardo era um canalha mesmo. Roteiro! tenho que admitir que foi uma boa ideia.
Tínhamos a noite toda pra fazer isso, então abri uma garrafa de vinho pra tentar acalmar as meninas, era como se Ricardo fosse o mau, e eu o bom. No fim, ambos eramos canalhas.
Ricardo preparava tudo, enquanto as meninas vestiam uma roupa de dormir. Ana, usava uma calça de pijama de moranguinho e uma camisa de malha rosa, não vi a calcinha que ela colocou. Flávia, estava uma camisola azul, totalmente transparente, por baixo usava uma calcinha amarela de algodão, pedi pra que elas não usassem soutiem, de modo que seus pequenos peitos durinhos quase saltavam pra fora.Por fim Evelyn, com a bermudinha tão curta e tão apertada, que era impossível não ficar olhando pra pata de camelo no meio das suas pernas, ela usava uma camisa azul, com um decote muito generoso, das trés, era a que tinha os peitos mais bonitos, grandes e tão duros e rígidos que pareciam que ia estourar se alguem cutucasse com uma agulha.
As trés ficaram na mesma cama, uma cama de casal bem grande, Evy em um lado Flávia no meio e Ana do outro lado. Todas deitadinhas de bruços, conforme indicação do nosso diretor Ricardo, a cena ficou vagando pela minha cabeça, meu pau já estava duro e Ricardo nem tentava esconder a ereção. Assim que elas fecharam os olhos, ele já estava nú.
Seu papel é simples Ricardo, vai lá finge que foi dar um beijo de boa noite e aquelas gostosuras e resolveu tirar uma casquinha, mas vai com calma pra não acorda-la. Acho que essa historinha você já conhece.
Você é um filho da puta. Eu disse.
Eu sei, mas você vai gostar.
Ele apagou a luz do quarto e ascendeu os refletores pra dar um clima, e la fui eu. Fui em direção a cama e Ricardo ficou acompanhando com a câmera de mão. Eu estava muito nervoso, mas fui em diante, sentei na cama e pensei. O que eu estou fazendo?
Evelyn era a primeira na cama por um motivo obvio, tentei esquecer que Ricardo estava ali. Tateei o lençol que as cobria e toquei a bunda de Evelyn, puxei o lençol devagar e vi sua bunda em repouso, da forma mais perfeita, a bermudinha estava enfiada, passei a mão na sua perna, a pele era muito quente, o silencio era tanto que deu pra ouvir o aumento da respiração de Evelyn, segurei firme a sua bunda, a bermudinha entrou ainda mais no rabo, segurei sua bunda com as duas mãos, uma em cada lado e depois fui puxando a bermudinha devagar, foi gostoso quando vislumbrei o valinho, puxei mais um pouco, até metade de suas cochas.
Abri a bundinha dela e Ricardo deu um close nela, dei um bejinho nas nádegas e meti a língua no seu cuzinho, Evelyn respondeu com uma contração nas nádegas, e achei aquilo o máximo, tirei o pau pra fora, peguei sua mão e coloquei nele, fiz ela ficar segurando enquanto seu tirava o resto da calcinha. fiquei olhando pasmo, aquela delicia, e em pensamento agradeci que Ricardo estava filmando, pois não ia querer esquecer isso nunca mais, adoro uma bundinha branca, ainda mais toda babada da minha saliva. Enfiei meu dedo na sua bucetinha e ela apertou meu pau. Abri sua bunda de novo e fiquei chupando por um tempo, de vez em quando abria bem e deixava Ricardo filmar bem de perto, cada dedada ou linguada na sua buceta ela apertava meu pau um pouco
Puxei um pouco mais o lençol e descobri Flávia, quase gozei na hora, ela estava de ladinho, de costas pra Evelyn, a camisolinha tinha subido, mostrando sua bundinha bem redondinha e pequenina, era tão linda que dava vontade de ficar olhando, como uma obra de arte. A calcinha tinha entrado na bunda e as nádegas tampavam o fiozinho, mais abaixo dava pra ver que a calcinha mal conseguia segurar tanta buceta. O combinado era Evelyn, mas Flávia seria um bônus, um belo bônus. Passei mão na sua bundinha, só pra avisar que a hora dela tava chegando também e puxei sua calcinha, deixando sua buceta a mostra pro Ricardo filmar. levantei da cama pra tirar a roupa, enquanto Ricardo filmava aquelas bucetas. Fiquei de joelhos em cima de Evelyn e apontei meu pau no meio da bunda dela, peguei o consolo delas em forma de pau que estava ali perto, enfiei na buceta de Evelyn e depois de estar bem molhadinho, coloquei na bucetinha de Flávia pra guardar lugar.
Olhei pra Evelyn e pensei, na buceta ou no cu? eu sei que o desgraçado vai comer o cu de Ana, mas se eu tentar comer o cuzinho dela agora pode atrapalhar tudo.
Ricardo percebendo se aproximou para filmar de perto, coloquei um travesseiro debaixo dela, e aquela bunda ficou ainda mais gostosa, sua buceta já estava molhadinha, queria sentir ele entrando bem devagar, e a medida que ele entrava, a respiração de Evy ficou mais forte, e ela mexia levemente a bunda, sua buceta era apertadinha, tirei meu pau e coloquei varias vezes pra sentir ela engolir ele, se tivesse dentes ele não teria voltado.
Puxei o lençol de Ana finalmente, aquela era a deixa. Deixei Evelyn de lado e deitei atrás da pequena Flávia. Deixei o consolo na buceta dela e apontei meu pau pro seu cuzinho. era tao quente, que soh deixar ele ali na entradinha já era bom. Dei uma lambuzada com saliva e fiquei forçando devagarinho, centímetro por centímetro, me abracei naquele corpinho gosto e segurei firme seus pequenos peitinhos, enquanto empurrava meu pau com calma, deu pra sentir que era um cuzinho bem apertadinho, e ia ser preciso muita paciência pra não machucar ela. Não fiquei com medo de forçar nada com ela, mesmo sendo pequena ela parecia aguentar bem a situação, ao contrário de Evy, Flávia trancava a respiração a cada estocada, e eu enfiava sem dó, até sentir que meu pau tinha entrado todo.
Enquanto isso, Ricardo se preparava, já pelado sempre com a câmera na mão, subiu em cima das pernas de Ana. Com uma das mãos ele puxou a calça de Ana de uma só vez até o joelho, me gelou o coração na hora, mas depois fiquei com tesão, e dei uma cutucada mais forte no cuzinho de Flávia, ele deu uma beliscada no meu pau e logo empurrou pra fora. Tirei o consolo da sua buceta, e fui metendo devagar, ela era ainda mais apertada que Evelyn, e sentia ela dar uns apertões no meu pau. Depois de lubrificado colocava ele de novo no cuzinho e forçava mais um pouco.
Ricardo colocou um travesseiro debaixo da barriga de Ana e começou a bombar, dava pra ver seu pau ensopado com minha filha, e cada bombada que ele dava, era um pouco mais que entrava no cu apertado de Flávia.
Depois de não ligar mais pra minha filha sendo fodida, virei Flávia de costas e tirei sua calcinha, seu corpinho era lindo, tão pequeno e tao perfeito, puxei a camisola pra cima, até aparecerem seus lindos peitinhos, tão redondinhos e pequenos. Flávia era uma preciosidade, não era pra ser comida de qualquer jeito, era pra ser apreciada, cada palmo do seu corpo era lindo. Beijei seu corpo todo, até chegar nos seus peitinhos, sua boquinha linda estava ali tão perto, e ela com os olhinhos fechados que não resisti dei-lhe um beijo molhado, mordisquei sua boca e chupei sua língua pra dentro da minha boca. Tão deliciosa que eu gostaria de poder fazer aquilo todo dia, toda hora, sempre que eu quisesse. Sentei na barriga dela e massageei seus peitos de novo, subi um pouco mais pra cima e encostei meu pau na sua boca. Aquela boquinha carnuda já era boa só de olhar, sentir a cabeça do meu pau nela era ainda melhor. Mas ela fingia que dormia e não abriu a boca pra eu meter, apoeie minha mão mais acima da sua cabeça e fiquei meio deitado sobre ela, com a outra mão segurei meu pau, e fui forçando a passagem. Quando passou a primeira resistência, o resto ficou fácil. Coloquei a até a metade na boca dela e puxei de novo sem deixar sair, e comecei a foder a boquinha dela. Estava tão bom, e eu ia metendo cada vez mais fundo, até que ela abriu os olhos e eu vi que eu tinha exagerado, metei mais uns minutos na boquinha e desci e cochichei no seu ouvido.
-Vou chupar sua bucetinha, tá. Ela balançou a cabeça e eu desci lambendo seu corpo. A buceta de Flávia era tão perfeita como o resto dela, cheia dos lados e perfeitamente simétrica, estava um pouco inchadinha das bombadas que eu dei, tão pequena, com uma buceta tão grande, pensei. mal cabia inteira na minha boca.
Enquanto isso, Ana já estava praticamente de quatro, e antes que eu pudesse perceber, Ricardo já estava metendo no cú dela, olhei pro lado e vi ele em cima dela como um animal, com o pau todo enterrado no seu cu e sua buceta arrombada.
Evelyn, estava ainda la no seu cantinho, meio que esquecida, virei ela de ladinho, virada pra Flávia e meti um pouco nela, falei no ouvido dela, que ela já podia acordar, pedi pra Flávia e Evelyn fazerem um 69 enquanto eu ia comer a buceta de Flávia. E foi o que eu fiz, enquanto metia em Flávia, Evelyn chupava meu saco, as vezes eu tirava o pau e dava pra ela chupar um pouco.
Ricardo colocou Ana de costas e começou a meter na boca dela, enquanto isso eu troquei com as meninas, agora eu comia Evelyn e Flávia chupava. Ricardo fez uma pausa pra registrar a foda, ele gostava de ver a sua menina sendo fodida, enquanto eu comia Evy, ele dava closes no seu rosto. Olhei pro lado e vi Ana deitadinha do lado com a mão na buceta.
Deita de costas Ana, eu falei. E você Evelyn, deita em cima dela, e Flávia em cima de Evelyn,como vocês fizeram outro dia. Lindo!!! disse Ricardo enquanto filmava.
Ao vivo é muito melhor. Pensei. Comecei fodendo Evelyn, e depois Flávia e depois fiquei revesando. A bucetinha de Ana estava solitária la em baixo, então enfiei um consolo nela.
-Filma um pouquinho, disse Ricardo, também quero comer esse montinho.
-Sem cerimônia, ele foi direto na bucetinha de Evelyn.
-Pai, o que você esta fazendo.Falou Evelyn
-Quietinha, vai estragar a cena.
-É a Evelyn eu disse.
-Buceta é buceta disse ele, se papai não comer,outro come. Veja lá se ela não esta gostando.
De fato, Evelyn parecia gostar, levei meu pau pra ela chupar, Flávia também chupou. Olhei pra Ana, e ela estava com uma cara, de só eu não ganho.
Você também quer querida? Criei coragem pra perguntar. Ela fez que sim com a cabeça e deixei ela mamar um pouco, das trés era a que chupava melhor.
Depois de alguma metidas e chupadas, comecei a criar meu próprio roteiro
-Tem uma coisa que sempre quis fazer Ricardo.
-Ter trés bucetinhas de quatro pra eu poder escolher em qual meter.
-Ta bom. Disse Ricardo, mas antes cada uma coloquem uma calcinha, quero filmar vocês com e sem calcinha.
Ricardo era um filho da puta tarado, mas eu gostei da ideia, a noite era uma criança ainda.
Cada uma vestiu uma calcinha, e ficaram de quatro. A primeira era Flávia, a que tinha a bundinha mais pequena e também a mais redondinha, ela usava uma calcinha amarela, e era tao pequena que não tampava a buceta toda, ou sua buceta que era grande mesmo. Evelyn era a que tinha a maior bunda e usava uma calcinha branca sem muita frescura, mas estava tão coladinha na buceta, que ela se dividia em duas partes. Ana estava com uma calcinha transparente, de rendinha, era muito sexy, valorizava bastante o corpo dela, era que a que tinha a bunda mais branquinha.
Ricardo passou filmando suas bundinhas, na verdade ele nunca parou de filmar, as câmeras do tripe funcionaram o tempo todo. Ele passou filmando e depois voltou filmando enquanto eu abaixava suas calcinhas até o joelho.
-Cinco minutos pra cada, ele disse.
-Você come e eu dou pra elas chuparem. E me deu uma câmera pra filmar.
A primeira foi a pobrezinha da Flavinha, como estávamos chamando. Já chegamos metendo sem cerimonia, bucetinha mais apertadinha das trés, de quatro era ainda mais. Dei uns tapinhas na sua bundinha e ela soltou uns gritinhos, foi o suficiente pra menina se soltar, começou a gemer feito puta, e quando enfiei no seu cu ela gemia de dor sem reclamar. Flávia arrombadinha, passamos pra Evelyn.
Evelyn ainda estava com o cuzinho intacto, e foi por ali que comecei, abri sua bunda e dei uma cuspida dentro com gosto, era um cuzinho apertado, e levei uns dois minutos pra consegui entrar, seu pai se assegurava que ela estaria com a boca cheia pra não poder reclamar, estava tão bom que foram cinco minutos só no cuzinho.
Olhei pra Ana ela me olhou me dando um sorriso e balançando a bundinha, dizendo que estava pronta pra mim. Segurei aquela bunda branca com a calcinha arriada e dei uma baita chupada na sua buceta. Lembrei do que Ricardo falou, buceta é buceta, e aquela era suculenta demais pra recusar. Fui colocando devagar, enquanto ela gemia com a boca cheia. sua buceta abraçava meu e Ana rebolava feito uma vadia, dei umas palmadinhas dela, e ela balançou a bunda como uma cadela quando vê o dono.
Trocamos e começamos por Ana, Ricardo dava umas estocadas fortes em em Ana, mas ela aguentava , engoliu meu pau todo e ficou segurando ele la dentro e sugando. A danadinha sabia como fazer, tive que tirar ele pra não gozar.
O boquete de Evelyn já não era tão bom, era mais relaxante, mas eu não podia reclamar de ver aquela ninfeta sendo enrabada pelo pai dela enquanto me chupava.
Cinco minutos depois estávamos na pequenina, era a mais pequena, a mais apertada a mais bonita e a mais gostosa de comer sem duvida. Dava pra gozar só de ver aquela boca carnuda e aqueles olhos grandes te olhando com cara de cachorrinha perdida.
Deixei ele comendo Flavinha e coloquei Ana pra cavalgar em cima de mim.
-Ta tudo bem querida? falei no seu ouvidinho.
-Ta pai, prefiro que você me coma do que ele.
-Papai ta aqui, virei ela de costas e coloquei com cuidado no seu cuzinho.
-Come pai, eu dou todo dia se você quiser, mas acaba logo com isso, por favor.
-Tudo bem querida, só mais uns minutos acaba.
-Repete o que você falou, posso te comer todo dia?
-Pode paizinho
Ricardo queria que acabasse com as trés chupando nosso pau, e nós gozando na cara delas, mas eu expliquei que minha filha estava desconfortável e sugeri que ele gozasse na Evelyn e na Flávia, e eu gozaria na Ana. Depois de horas, não foi difícil gozar, Ana gostava de engolir o pau, e quando gozei ele estava la no fundo, ela engoliu quase tudo. Já Richard lambuzou onde pode as duas meninas. Foi uma noite foda, nunca tive uma noite com tanto prazer.
Quando tudo acabou, pintou uma pontada de remorso, mas a experiência não foi nem de longe ruim.

Se você quiser compartilhar historias reais, fotos, vídeos para serem publicados ou não no blog entrem em contato comigo pelo e-mail: incestopais@gmail.com